sábado, 12 de abril de 2008

Qual o motivo?


O que pode ter levado a quem quer que seja a matar a menina Isabela Nardoni? Quem tem o direito de tirar a vida de uma criança que nenhum mal pode fazer a um adulto? Como sempre, nos romances policiais de Agatha Christie, a culpa recai sobre aquele que menos suspeita deixa transparecer. Quem será, no caso de Isabela, o seu algoz?

A violência infantil é um tema muito sério e que vem tendo pouca discussão nos meios de comunicação. Tais notícias apenas duram algum tempo, depois caem no esquecimento.

Quantas Isabelas morrem por dia, vítimas de entes queridos, próximos? Sim, porque as estatísticas mostram que os algozes das crianças indefesas são adultos e próximos a elas, pessoas em quem normalmente elas confiam e, por isto, se tornam presas fáceis.

Até quando vamos ter que conviver com estas estatísticas que nos revoltam e nos deixam impotentes?

A Constituição Federal diz que é dever da família, da sociedade e do Estado assegurar a perfeita integridade das crianças de nosso país. Hoje, o Promotor de Justiça, responsável pelo caso, afirmou que vizinhos ouviram Isabela gritar por ajuda. Por que não a ajudaram? Por que só agora resolveram falar? Somos todos coniventes com a morte de Isabela, porque nos calamos ao ouvir pais baterem em seus filhos - eles são os responsáveis e sabem o que fazem (não é assim que pensamos?) - e calados nos chocamos. Como diz o velho ditado, muito sábio por sinal, "quem cala consente".

Se, realmente for comprovada a responsabilidade do pai e da madrasta de Isabela, que tipo de família e de amor pela criança eles têm que, para salvar a pele de adultos, se calam e deixam impunes aqueles que tiraram a sua vida? Qual o verdadeiro amor que a menina Isabela recebia por parte da família de seu pai? O que de tão grave esta menina fêz a ponto de quererem acabar com a sua vida? ".

Quantas Isabelas, Marias, Joãos etc. teremos que perder para que as autoridades e a sociedade cumpram o seu papel de proteger a infância?

2 comentários:

beatriz disse...

queria que a justiça fosse justa e coloca-se o verdadeiro culpado atras das grades

Themis Aline disse...

É Beatriz, mas, aos poucos, com a participação e pressão do povo a Justiça será justa.

Continue, sempre, por aqui.